“Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não caminha nas trevas, mas terá a luz da vida” (João 8:12). ‬

João usa dos opostos – luz e trevas – para falar sobre a vinda de Jesus Cristo. O próprio Senhor se apresenta a nós assim: “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não caminha nas trevas, mas terá a luz da vida” (João 8,12). Porém, diante das contradições mundanas como a violência, a fome, as guerras e tantos outros tipos de sofrimento, podemos nos perguntar: “Se o Verbo de Deus veio ao mundo como luz, por que ainda há tantas trevas?”.
A resposta a essa pergunta está dentro de nós. A verdade é que, dentro de nós, já brilha a verdadeira luz, que é Cristo, mas ainda há muitas trevas em nosso coração. Em alguns momentos de nossas vidas, somos generosos; mas em outros, somos avarentos e mesquinhos. Há situações em que somos bondosos, mas em outras somos maus e, muitas vezes, não nos reconhecemos.
Essa oposição entre luz e trevas perdura em nós, ainda que lutemos para vencer as trevas do egoísmo, da vaidade, da ganância e da perversidade, pois o próprio Cristo nos alertou: “Sem mim, nada podeis fazer” (João 15,5b). Sem acolher a luz verdadeira, que é Jesus, não somos capazes de vencer essa luta contra as trevas, que está no mundo e também dentro de cada um de nós.
O Natal, no qual comemoramos o nascimento de Jesus, a luz que veio ao mundo, convida-nos a resplandecer esta luz que deve brilhar nas trevas do mundo. Respondamos a este chamado com humildade, para que a Sua luz ilumine as trevas da nossa mente e do nosso coração para que possamos também iluminar este mundo.
Na alegria do Natal, do nascimento do Jesus Cristo e na esperança da Sua segunda vinda, acolhamos Sua luz em nossas vidas, deixemos que ela ilumine nossos pensamentos, palavras e ações, para que, iluminados por Ele, possamos ser também luz para este mundo (cf. Mt 5,14). Somente em Cristo seremos cheios do Espírito Santo e anunciaremos, com ousadia, Sua volta!!!

Pin It on Pinterest

Share This